sábado, 24 de setembro de 2016

Clássicos do Cinema: Questão de Tempo

Título: Questão de Tempo
Título Original: About Time
Atores Principais: Domhnall Gleeson, Rachel McAdams, Bill Nighy
Gênero: Romance
Direção: Richard Curtis
Duração: 2h03min
Lançamento: 20 de dezembro de 2013
País: Reino Unido

Avaliação:  

Sinopse: Ao completar 21 anos, Tim (Domhnall Gleeson) é surpreendido com a notícia dada por seu pai (Bill Nighy) de que pertence a uma linhagem de viajantes no tempo. Ou seja, todos os homens da família conseguem viajar para o passado, bastando apenas ir para um local escuro e pensar na época e no local para onde deseja ir. Cético a princípio, Tim logo se empolga com o dom ao ver que seu pai não está mentindo. Sua primeira decisão é usar esta capacidade para conseguir uma namorada, mas logo ele percebe que viajar no tempo e alterar o que já aconteceu pode provocar consequências inesperadas.

Crítica: Desde que esse filme foi lançado eu só ouvia elogios e queria muito ver ele, mas deixava pra lá por estar sem vontade de assistir comédia romântica, que acaba sendo sempre a mesma coisa. Não posso deixar de dizer o quanto eu me surpreendi quando eu vi esse filme, e como eu estava errada, porque ele sai totalmente de qualquer padrão que qualquer um tenha e é tão bom que eu nem sei explicar.

O filme conta a história de Tim, uma rapaz que na noite de ano novo, quando tem 21 anos de idade, descobre que os homens de sua família tem o poder de voltar no tempo ao entrar num local escuro e pensar num local e época. No começo ele só usa seu poder para tentar conquistar garotas, principalmente uma que ele gosta muito e não dá a menor bola pra ele, e logo de cara ele descobre que as vezes não importa quantas vezes você volte no tempo, tem coisas que você não pode mudar.



Um tempo depois ele se muda para Londres, onde vai morar com um escritor de peças  de teatro rabugento, amigo de seu pai, enquanto tentar seguir sua carreira como advogado. Até que um dia, indo em um restaurante no escuro com um amigo de infância, ele conhece Mary, uma editora de livros por quem ele se apaixona á primeira vista.



O problema é que ele tem que voltar no tempo para ajudar a estréia da peça de seu colega com quem divide o apartamento, mas para isso acaba perdendo o jantar e assim nunca conhece Mary. Sem saber seu sobrenome, ele começa a ir todo o dia numa exposição que ele tem certeza que ela vai, mas quando ele enfim encontra ela, descobre que nesse meio tempo em que ele não se conheciam mais ela conheceu um cara que agora é namorado dela. E sério, se você não se apaixonou pelo Tim até agora, esse é o momento. Para impedir ela de conhecer esse cara, ele volta no tempo, entra de penetra na festa onde ela conheceu o tal namorado, e faz ela conhecer ele em vez do moço.



A partir daí o relacionamento deles vai de vento em polpa, com ele só voltando no tempo para fazer o relacionamento deles ainda melhor. Tudo vai lindo e maravilhoso, eles se casam e tem uma filha linda, até que a irmã de Tim começa a passar por alguns problemas, e ele volta no tempo para impedir que ela ficasse desse jeito. É aí que seu pai tem que explicar para ele que ele se ele voltar no tempo para antes de sua filha nascer, ele muda mínimos detalhes que faz o espermatozoide que gerou a filha dele e agora ele tem um filho. Como ele sente muita falta da filha, ele desfaz o que ele fez na volta do tempo e vê que ele vai ter que lidar com os problemas de sua irmã da forma natural mesmo.



E essa é uma lição com que ele vai ter que aprender a lidar conforme a vida segue seu rumo e coisas que não podem ser mudadas acontecem e não a nada sobre isso que ele possa fazer. Esse filme me surpreendeu muito por várias razões, uma delas sendo que ele não é uma história de amor, ele tem uma história de amor, que por acaso é linda, e faz todo mundo suspirar, mas o foco dele é família.



O amor que se tem em uma família, as relações familiares, esse é principal foco do filme, e até mesmo a história de amor se torna com o tempo uma história de amor familiar. A relação de Tim com Mary é linda, mas a relação dele com seu pai e sua irmã é tão linda quanto, assim como sua relação com seus filhos. Essa também é a história sobre crescer, experimentar a vida, e que mesmo você pode voltar no tempo, as vezes nada pode ser mudado, e as vezes não é necessário porque o agora é mais que suficiente.

Fazia muito tempo que um filme me fazia sentir tantas emoção, algumas que nem sei explicar, e que me tocava de tantas formas diferentes. Esse é um filme que deve ser assistido por todas as pessoas, homens, mulheres, jovens, idosos, porque ele nos dá perspectiva e nos lembra o rela significado da vida. Se você ainda não assistiu esse filme, corre pra assistir, tem na Netflix, e além da linda história, toda a fotografia, cenário, figurino, tudo nesse filme é lindo e super merece ser apreciado.

Veja o trailer:

Nenhum comentário:

Postar um comentário