terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Review: Wishful Drinking - Carrie Fisher

Título: Whishful Drinking
Autora: Carrie Fisher
Editora: Simon & Schuster
Páginas: 163
Ano: 2008
Nível de inglêsDifícil
Goodreads: Wishful Drinking
Avaliação: 


Sinopse: Em Wishful Drinking, Carrie Fisher conta a verdadeira e intoxicante história de sua vida com sagacidade inimitável. Nascida com pais famosos, ela foi escolhida para atuar a princesa em um pequeno filme chamado Star Wars quando ela tinha apenas 19 anos. "Mas não é tudo doçuras e sabres de luz." Alas, além de uma carreira exigente e sua vida como mãe solteira ( pra não mencionar seu cabelo do espaço sideral), Carrie também passa seu tempo livre batalhando o vício, resistindo ao passei selvagem da depressão e descansando em várias instituições psiquiátricas. É um incrível conto - de ter Elizabeth Taylor como madrasta, para casar (e divorciar) Paul Simon, de ter o pai de sua filha a deixando por um homem, para finalmente acordar uma manhã e encontrar um amigo morto do lado dela na cama.

Crítica: Sou uma grande fã de Star Wars, e apesar de não ter sido apresentada as histórias de uma galáxia muito distante na infância, na minha juventude sempre considerei e considero Princesa Leia um exemplo de empoderamento feminino e meu personagem favorito. Como todos os fãs, fiquei arrasada com o falecimento de Carrie Fisher em dezembro do ano passado, isso me levou a ler vários de seus livros e aí descobri, infelizmente já um pouco tarde, que a atriz era tão maravilhosa e girl power quanto a personagem, e muito mais imperfeita, o que faz dela ainda mais perfeita como ícone a ser seguido, já que ela, apesar da riqueza e fama que ela conheceu desde o seu nascimento, lutou contra demônios que muitos enfrentam todos os dias.
De qualquer forma, George vem até mim no primeiro dia de filmagem e ele olha para o vestido e diz "Você não pode usar um sutiã embaixo desse vestido."
Então, eu digo, "Ok, eu vou morder a isca. Por quê?"
E ele diz, "Porque... não existe roupa de baixo no espaço."
(...)
Então, o que acontece é que você vai para o espaço e você fica sem peso. Até aí tudo certo, né? Mas então o seu corpo expande??? Mas seu sutiã não - então você é estrangulada pelo seu próprio sutiã. Agora, eu acho que isso daria um maravilhoso obituário - então eu digo para meus amigos mais novos que não importa como eu vá, eu quero que reportem que eu me afoguei na luz da lua, estrangulada pelo meu próprio sutiã.
Em Wishful Drinking, a eterna princesa Leia conta que acabou de passar por um tratamento de eletro choque, usado em casos de bipolaridade, e como ela sofre perda de memória depois disso, algumas temporárias, algumas permanentes, ela resolve escrever o que ela se lembra. É assim que começa uma longa jornada pela memória de uma mulher brilhante, que teve uma vida além do comum até para a maioria das celebridades, e que não tem a menor vergonha de falar o que pensa.
Eu sou muito sana sobre o quão louca eu sou.
E essa jornada começa com ela contando o dia que ela acordou e encontrou um de seus grandes amigos, que tinha dormido com ela por falta de quartos disponíveis, morto ao seu lado na cama. Depois disso ela começou a ter estresse pós traumático, coisa que ela achava que só pessoas que iam pra guerra tinham. Ela fala que você sabendo isso da vida dela, você está preparado para ouvir toda a história dela, começando pelo casamento de seus pais que passou de o casal perfeito de Hollywood (o Brangelina da época, por assim dizer) para um dos maiores escândalos, com seu pai deixando sua mãe para ficar com Elizabeth Taylor, que tinha acabado de ficar viuvá, para então ser deixado depois de alguns meses.
Você sabe como a maioria das doenças tem sintomas que você reconhece? Como febre, dor de estomago, calafrios, qualquer coisa. Bem, com depressão é promiscuidade sexual, gastos em excesso, e abuso de substância - e isso soa como um fim de semana fantástico em Vegas pra mim!
Depois disso, sua mãe se casou de novo, se separou de novo, e ela e seu irmão mais novo cresceram no mundo artístico, vendo a era de Ouro do cinema passar, participando de shows da Broadway da mãe, e desde muito novos usando drogas mais leves, com a mãe sabendo. Quando ela começou a se interessar em ser atriz sua mãe a mandou para uma faculdade na Inglaterra, e foi quando ela estava lá que foi escalada para Star Wars com 19 anos. Foi nessa época em que ela começou a usar drogas mais pesadas, mas na época era considerado relativamente normal, e assim ela seguiu numa vida de vícios, que junto com seus problemas psicológicos, que ela só veio a aceitar que existiam mais tarde, levou ela a ter várias crises.
Feliz é uma das muitas coisas que eu provavelmente vou me sentir ao longo do dia, e com certeza ao longo da uma vida. Mas eu acho que se você tem expectativas que você vai ser feliz por toda a sua vida - mais no ponto, que você precisa estar confortável o tempo todo - bem, entre outras coisas, você tem o que leva a ser um clássico viciado em drogas ou alcoólatra.
Ao longo dessa jornada, até se aceitar como é, ela acaba casando, se separando, e tendo uma filha com um homem que a larga por outro homem e fala que a culpa foi dela. Ela demorou muito para entender como seus problemas se encaixavam uns nos outros, mas a partir do momento em que ela conseguiu se resolver como pessoa, ela virou uma ativista das doenças mentais, querendo que esse assunto, que ainda é um tabu e uma coisa que as pessoas acham que devem se envergonhar, fosse falado, divulgado e normalizado, afinal milhões de pessoas tem os mesmos problemas.
Eu não simplesmente me sinto melhor sobre mim mesma porque essas pessoas são fodidas (e eu acho que isso nos dá uma sensação de comunidade), mas eu me sinto melhor porque olhe o quanto esses colegas fodidos conseguiram realizar!
Por ter nascido já famosa, Carrie Fisher encarava a vida de celebridade, e a vida de forma geral, de uma forma bem diferente, e isso é bastante visível em Wishful Drinking, ela consegue rir da pior das situações, e tratar com um humor irônico tudo a sua volta. Dos bastidores engraçados de filmes e produções em que ela participou, aos dos momentos mais sombrios de sua vida, e detalhes de sua privacidade, Fisher conta algumas de suas histórias como se tivesse conversando com um amigo, sem a cronologia de um biografia, mas sim com todas as partes de sua personalidade sarcástica, irônica, espirituosa e sensacional. O livro consegue ainda mostrar como a mente de uma pessoa com transtorno bipolar funciona, pois o livro em si, a forma como cada capítulo evoluiu e muda, é uma metáfora para a mente de sua autora, o que o torna simplesmente fantástico. Se você se  é um fã de Star Wars, ou simplesmente se interessou por esse livro de uma pessoa fantástica que é um exemplo, o livro pode compra-lo na Book Depository, que tem frente de graça para o mundo todo, e o livro foi ainda transformado em um monólogo apresentado por Carrie Fisher, que foi gravado em 2010 pela HBO e é facilmente encontrado na internet, veja o trailer:

Nenhum comentário:

Postar um comentário