quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Crítica de Cinema: Star Trek - Sem Fronteiras

Título: Star Trek - Sem Fronteiras
Título Original: Star Trek - Beyond
Atores: Chris Pine, Zachary Quinto, Zoe Saldana, Karl Urban e Idris Elba
Gênero: Ficção Científica
Direção: Justin Li
Duração: 2h03min
Lançamento: 1° de setembro de 2016
País: Estados Unidos

Avaliação:  

Sinopse: Desta vez, Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto) e a tripulação da Enterprise encontram-se no terceiro ano da missão de exploração do espaço prevista para durar cinco anos. Eles recebem um pedido de socorro que acaba os ligando ao maléfico vilão Krall (Idris Elba), um insurgente anti-Frota Estelar interessado em um objeto de posse do líder da nave. A Enterprise é atacada, e eles acabam em um planeta desconhecido, onde o grupo acaba sendo dividido em duplas.


Crítica: Amo Star Trek com todas as forças do meu ser, e não tinha gostado muito do segundo filme dessa série de remakes, mas me surpreendi e gostei muito desse terceiro filme, que acertou em muitas coisas. Esse novo filme veio com algumas notícias bem triste, uma delas foi que não teríamos mais a participação especial do nosso querido Leonard Nimoy, o Spock original, já que ele faleceu em 2015, e isso foi colocado no filme, o que eu achei super legal, e a outra notícia, tão triste quanto, mas um tanto mais trágica, foi a morte de Anton Yelchin, que fazia o fofíssimo russo Pavel Chekov, que foi atropelado pelo próprio carro em junho desse ano, fazendo do filme seu último e póstumo trabalho. *chorei muito sempre que ele aparecia :'(*



Bem, a aventura começa no terceiro ano da missão de 5 anos da tripulação da Enterprise, e todos já estão meio cansados da situação, inclusive o Capitão James T. Kirk está pensando em se aposentar das viagens e viver numa base espacial, e ao mesmo tempo, sem um saber do outro, Spock está pensando em abandonar a USS Enterprise para dedicar sua vida ao que restou de seu povo agora que o Spock do universo paralelo morreu. Porém os planos dos dois poderão ser mudados na viagem que deveria ser a última missão da dupla, isso tudo sem um saber da situação do outro.



Uma pessoa de um planeta não identificado pela Federação pede ajuda para salvar a sua tripulação em um planeta não acessível por ser depois de uma área nebuloso, onde só a Enterprise poderia passar. No caminho, no entanto, eles já descobrem que na verdade eles estão em uma armadilha, e a nave começa a ser atacadas por várias naves numa formação que lembra as abelhas de uma colmeia dominados pelo vilão Krall. O ataque faz a nave ir se despedaçando, e todos seus tribulantes acabam tendo que abandonar a nave. Isso leva a todo mundo cair em lugares diferentes, fazendo todo mundo ficar meio perdido e sem saber como vão fazer pra voltar, e se os outros ainda estão vivos.



Os grupos divididos são Kirk e Chekov, Bones e Spock, e Scotty que encontra uma alien está presa nesse planeta a anos tentando fugir. Depois de muitos desencontros, os 6 conseguem se encontrar, dentro de uma antiga nave que foi do primeiro Capitão da Federação e que desapareceu no espaço a muitos e muitos anos. Agora, eles tem que salvar o resto da tripulação, com quem estão também Uhura e Sulu, salvá-los, e dar um jeito dessa máquina super velha funcione para que eles possam salvar todas as pessoas que moram numa estação espacial que está prestes a ser destruída por Krall, e nessa jornada redescobrir a importância do que eles fazem para o universo.



Eu fiquei bem decepcionada com Into Darkness, e sinceramente cheguei no cinema esperando que Sem Fronteiras fosse bem bosta, tanto que nem assisti nenhum trailer nem nada, mas gente, como eu me surpreendi! A trama foi super bem amarrada, as história cheia de surpresas e emoções, não foi nem um pouco algo que você poderia ver acontecendo e eles conseguiram me prender durante todo o filme. Conseguimos ver bastante de todos os personagens igualmente, e eles estavam todos no ponto certo e maravilhosos, e acho muito difícil os fãs da série original, como eu, acharem problemas, porque ficou muito bom e bem feito. Minha única tristeza é o Chekov não ter aparecido mais, já que infelizmente Anton se foi, mas seu personagem estava tão engraçado e fofo como sempre.

Pra quem não sabe, o próximo conteúdo da Saga Star Trek será a série Discovery que estréia em 2017 na Netflix, e logo todas as séries e filmes estarão também na Netflix, mais de mil episódios para assistirmos!


Veja o trailer do filme:


Nenhum comentário:

Postar um comentário