quinta-feira, 23 de março de 2017

Resenha: Salva Por Um Cavalheiro - Stephanie Laurens

Título: Salva Por Um Cavalheiro
Título Original: In Pursuit of Eliza Cynster
Série: As Irmãs Cynster 02
Autora: Stephanie Laurens
Editora: Harper Collins Brasil
Páginas: 352
Ano: 2017
Skoob: Salva Por Um Cavalheiro
Compre: Saraiva
Avaliação: ★★★★☆


Sinopse: Londres, 1829. Impetuosamente sequestrada do baile de noivado de sua irmã Heather Cynster com o Visconde Breckenridge, Eliza desperta em um coche estranho a caminho de Edimburgo… Após passar 3 dias e 3 noites sedada, ela fará de tudo para escapar — nem que precise fingir estar desacordada para enganar seus algozes ao longo do percurso. Enquanto percorre os prados escoceses pensando em pergaminhos a serem decifrados e em uma esposa com quem possa compartilhar a vida, o erudito Jeremy Carling é pego de surpresa ao ver uma mulher gritando desesperada de dentro de um coche. Parecia alguma conhecida… Alguém a quem fora apresentado em um salão londrino… Mais precisamente… Eliza Cynster! Apesar de não ser nenhum herói, e sim um especialista em hieróglifos de grande prestígio, seu código de cavalheiro jamais permitiria ignorar uma dama aflita! Mas o perigo os espreita sorrateiramente na forma de um lorde misterioso que insiste em se apoderar de uma das irmãs Cynster. Um confronto à beira do penhasco colocaria um ponto final aos ardis do vilão oculto? Ou seria o momento certo para Eliza e Jeremy ousarem assumir um amor que nasceu em meio a tantos percalços? Em “Salva Por Um Cavalheiro”, Stephanie Laurens presenteia seus leitores com a apaixonante história de Eliza, a segunda irmã Cynster, e Jeremy. Ao longo das estradas, vales e montanhas que ligam Edimburgo a Londres, a autora desenvolve uma narrativa audaciosa com personagens sedutores em uma trama de mistério capaz de prender a atenção até a última página.

Resenha: No final do mês passado teve a resenha aqui do blog do primeiro livro da série As Irmãs Cynster (veja aqui), e hoje nós vamos falar sobre o segundo livro da série, que foi lançado mês passado pela Harper Collins Brasil, e foi mandado pra gente com um lindo pingente de quartzo-rosa. O livro começa logo depois do final de Conquistada Por Um Visconde, e o misterioso escocês, precisando desesperadamente de uma irmã Cynster para casar senão sua mãe iria fazê-lo perder tudo o que possuí, manda novos sequestradores, dessa vez atrás da irmã Cynster do meio, Eliza.

Eliza está muito frustrada por não poder dar um passo sem a supervisão de algum dos homens da família desde que sua irmã voltou noiva de sua perigosa aventura, principalmente porque seu tempo para arranjar um marido está acabando antes que vire oficialmente uma solteirona. Por isso, quando ela recebe um misterioso bilhete para se encontrar com alguém numa das salas da casa de um dos seus primos durante o baile de noivado da irmã, ela não pensa duas vezes antes de ir ao encontro do seu enigmático possível pretendente.
Suas duas irmãs eram confiantes, do tipo que gosta de atividades ao ar livre, que se sente tão segura no campo quanto em um salão de baile. No campo, enquanto a versão de Heather e Angélica de uma caminhada vigorosa era subir e descer montanhas, a dela era uma caminhada lenta pelas varandas e caminhos pavimentados do jardim.
Acabasse que esse era o plano pra conseguirem sequestrar a jovem, e ela passa os próximos três dias desacordada indo em direção a Escócia, e ao finalmente ser mantida acordada, descobre que está quase chegando ao encontro do mandante de seu sequestro, que não há a menor oportunidade de pedir socorro já que novamente estão usando a história dela ter fugido de seu tutor e estar sendo trazida de volta, como foi usado com Heather, e ainda estão indo por um caminho mais longo, uma estrada paralela que em sua maior parte está deserta.

Sua única esperança é quando vê Jeremy Carling, um erudito conhecido de sua família, passando ao lado da carruagem, e usa todas suas forças para pedir socorro. O moço primeiramente fica muito confuso sobre o ocorrido, mas estando sabendo sobre o sequestro da irmã Cynster mais velha por um escocês que ninguém sabe quem é, resolve dar a volta e seguir a carruagem que segue para o norte. Ao chegar na estalagem onde passarão a noite, Jemery tenta resgatá-la, mas como a moça ainda está fraca por ter sido drogada durante tantos dias não consegue escalar até sua fuga. 
E Eliza claramente precisava de ajuda. Ela não teria tentado atrair a sua atenção daquela forma se não estivesse sem alternativa. Ela pedira socorro. Ele não deveria questionar o pedido, e sim respondê-lo apropriadamente. Principalmente porque ele duvidava que ela o tivesse reconhecido, o que significava que ela se rebaixaria a pedir ajuda a qualquer cavalheiro por quem passassem. Tais ações vindas de uma jovem dama do naipe dela mostravam seu desespero absoluto.
O cavalheiro então segue-os até Edimburgo onde, com a ajuda de amigos locais também estudiosos de línguas, planeja um elaborado plano de fuga envolvendo a arquitetura das casa do bairro onde a moça está sendo mantida presa até a chegada do escocês, um dos amigos de Jeremy se vestindo de mulher enquanto Eliza se veste de jovem rapaz e uma fuga a cavalo para a segurança da casa de um casal de amigos de ambos até os pais da garota chegarem para buscá-la. A primeira parte do plano dá certo, mas quando Jeremy descobre que a moça enjoa facilmente em cavalos, eles se atrasam muito em seus planos e quase são alcançados pelo misterioso sequestrador, que mais uma vez está atrás da moça não necessariamente para tomá-la, mas para se certificar que ela está bem e em boas mãos.

Assim com sua irmã, Eliza acaba tendo que fazer grande parte do trajeto a pé, dessa vez por caminhos muito mais montanhosos e desertos, e a trajetória do casal até a segurança é bem mais longa, cheia de reviravoltas e perseguições bem perigosas, mas ao mesmo tempo o casal é bem menos temperamental, o que faz a viagem parecer mais leve, assim como o relacionamento dos dois, embora às vezes meio confuso. 
Eliza olhou na direção dele de novo e então para frente, sorrindo para si mesma. Não estava nem um pouco chateada por ter que passar mais uma noite sozinha com Jeremy, já que se decidira a descobrir mais coisas sobre ele e se permitir, pelo menos, mais um beijo.
Quando eu comecei a ler o livro fiquei apreensiva que fosse muito parecido com o primeiro, e de muitas maneiras é, mas o que faz uma enorme diferença é o quanto as personalidades de Eliza e Jeremy são totalmente diferentes das de Heather e Breckenridge. Enquanto o casal do primeiro livro era extremamente temperamental, com várias brigas, desentendimentos e incertezas, Eliza e Jeremy são calmos, conversam sobre tudo e compartilham suas opiniões sempre.

E se no outro livro o foco foi o sequestro, nesse foi a fuga que demorou bem mais, pois tudo o que poderia dar errado ao longo do caminho deu (não que nossos heróis estivessem reclamando muito), e nessa história nós tivemos efetivamente um vilão do mau. A forma que o casal lidou com seus sentimentos foi bem as claras, o que me fez gostar muito mais deles como personagem, porém ao longo do caminho a história não me prendeu tanto quando a de Conquistada Por Um Visconde, talvez porque, apesar de ter momentos de ação muito bons, eles foram não tão frequentes, mas fizeram um livro um pouco menos repetitivo pelo menos.
Eram as pequenas coisas que contavam a história. A forma como o cavalheiro de Eliza a protegia constantemente, pensando na segurança dela antes da sua. A forma como a mão dele sempre ficava próxima às costas dela, quando não estavam de mãos dadas, a forma como ele sempre olhava em volta, à procura de algum perigo. E Eliza confiava nele, implicitamente e sem reservas, ela não questionava, não discutia. Mas sugeria.
Mas o que me deixou mais animada em Salva Por Um Cavalheiro provavelmente foi ver mais um pouquinho da história do escocês e saber que, apesar do final completamente aflito desse livro para ele, ele será o protagonista do próximo livro junto com a irmã Cynster mais nova, Angélica. Já estou esperando ansiosamente o lançamento do terceiro livro que chega no segundo semestre desse ano, pois os dois parecem ter personalidades muito fortes que juntas vão explodir e uma história bem diferente dos dois primeiros casais da trilogia, fora que o misterioso aristocrata é com certeza meu personagem favorito da série, então podem lançar The Capture of the Earl of Glencrae correndo Haper Collins, que a gente já ta ficando sem unhas nessa espera!
Pegue todos os traços femininos fortes que eu e Heather temos, multiplique por dois e você terá uma noção de como Angélica é. De nós três, ela é a mais teimosa, a mais decidida, a mais inteligente e, de longe, a mais determinada. Ela é muito boa em manipular pessoas; excepcionalmente boa em conseguir o que quer. Angélica pode ser a mais nova, a mais baixa, a menor das três, mas também é a mais ousada, a mais corajosa e com a personalidade mais forte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário