domingo, 24 de abril de 2016

Review: The Boy Most Likely To - Huntley Fitzpatrick


Livro: The Boy Most Likely To
Autora: Huntley Fotzpatrick
Editora: Dial Books
Páginas: 425
Ano: 2015
Nível de inglês: Médio
Avaliação: 

Sinopse: Abundantes surpresas e faíscas acendem no extremamente antecipado, totalmente romântico livro que acompanha Minha Vida Mora Ao Lado.

Tim Mason é O Garoto Mais Provável a:
- Achar o armário de bebidas com os olhos vendados
- Precisar de um transplante de fígado
- Dirigir seu carro dentro de uma casa.

Alice Garrett é A Garota Mais Provável a:
- Bem, não namorar o melhor amigo cheio de bagagem do seu irmão mais novo, pra começar.

Para Tim, não era inteligente se apaixonar por Alice. Para Alice, nada poderia ser mais assustador do que se apaixonar por Tim. Mas Tim nunca foi conhecido por faz as escolhas inteligentes, e Alice está começando a questionar se a decisão "inteligente" é sempre a certa. Quando esses dois se chocam um contra o outro, eles causam impacto.
Então uma inesperada consequência dos dias selvagens de Tim volta para chocá-lo. Ele se encontra em uma situação que não é tudo o que parece, que ele nunca poderia prever... Mas talvez deveria ter esperado.
E Alice se encontra no meio.
Contado por Tim e Alice distintas, francas e totalmente convincentes vozes, esse retorno para o mundo de Minha Vida Mora ao Lado é uma história sobre primeiro falhar, tentar de novo, e ter que decidir se vale a pena arriscar uma vez mais.

Review: Meu caso de amor com a Huntley Fitzpatrick é antigo. Fiquei namorando a capa de My Life Next Door, lançado aqui como Minha Vida Mora Ao Lado pela Editora Valentina em 2015, desde quando foi lançado em 2012, mas só comprei no começo de 2014 e foi amor à primeira frase. 
"Não é algo difícil, Nan. Você demostra a alguém que ela importa pra você - faz o que for necessário para demostrar isso."
Sendo Minha Vida Mora ao Lado um livro muito fofo e que deixa qualquer um apaixonado eu esperava que sua "sequência", que se passa na casa dos Garrett, fosse no mesmo estilo. Como eu estava errada! Huntley Fitzpatrick deu um tapa na cara de todos que esperavam um romance fofo com pouco drama como seu primeiro livro. The Boy Most Likely To foi um livro profundamente emocional do começo ao fim! 
Fazer amor. Eu fiquei desconfortável toda vez que Hester usou essas palavras. Tão desencaixado e estranho e sem relação com o que realmente acontece entre dois corpos. Você faz o café da manhã, você faz tempo livre, você faz um time. Amor? Nem tanto. Mas eu entendo isso agora. Como fazer um fogo. Não dois palitos se esfregando para extrair algo do ar. Mais como finalmente poder, tendo o conhecimento, esquentar suas mãos em algo que você construiu, madeira por madeira.
Tim resolve sair de casa e se muda para o quarto em cima da garagem dos Garrett, então tem que lidar com ter que se virar sozinho aos 18 anos, sem nenhum apoio da família, ter que sobreviver cada dia de uma vez estando somente há 2 meses sóbrio e convivendo com os Garretts, família que o acolheu de braços abertos mas que está vivendo uma grande crise graças ao pai ainda estar internado no hospital depois dos acontecimentos do primeiro livro com possíveis sequelas ainda sendo consideradas, e a mãe que além de cuidar do marido doente ainda está grávida de novo e tem que tomar conta dos outros filhos. Alice se encontra presa no meio de tudo isso. Com seu irmão Joel tendo ido morar sozinho, ela é a irmã mais velha presente e acaba trancando a faculdade para poder ajudar os irmãos. Alice sente muita pressão vindo de todos os lados da vida dela, e ela se preocupa o tempo todo com os outros, e talvez por isso ela acabe desistindo de resistir a atração que sente por Tim. 
"Por que eu não te assusto?", ela pergunta. "Você assusta. Você é assustadora como o inferno", eu asseguro ela. "Mas isso funciona pra mim. Perfeitamente."
O relacionamento deles está apenas começando quando uma bomba cai no colo de Tim que afeta o relacionamento dele com Alice e todos os aspectos de sua vida. Não darei spoilers, mas aviso que é algo que me deixou muito chocada e que conforme o livro vai passando o acontecimento vai ficando mais ainda cheio de surpresas, até que no final você ficá com o coração um pouco partido, mas feliz.

Todo mundo que comete erros não está condenado a ser um idiota para sempre.
O livro fez jus a história do Tim, mas achei que a Alice ficou um pouco de lado, a atenção voltada para ela era mais em relação a família, o que de certa forma eu adorei já que eu amo o George e adorei ver um pouco mais do Jace mas quando se comparada a história do Tim foi muito mais interessante e cativante que a dela. E o romance entre os dois não é muito desenvolvido, achei que a decisão dela sair com o Tim foi muto do nada por exemplo, e eles não tiveram tantas cenas só os dois quanto a Sam e o Jace.
Talvez você só possa encontrar o que você precisa em pedaços pequenos, em pessoas que aparecem em um momento crucial - ou em uma cadeia inteira deles - mesmo que eles não resolvam tudo.
Por outro lado, as cenas que eles tiveram foram totalmente lindas e foi muito bonito ver o apoio dela a ele em todas momentos, mesmo quando tudo tinha explodido, e como ela muitas vezes era a única ali por ele. Apesar de não ser um 5 estrelas como o anterior, ele ainda é imperdível, com certeza.

Pra quem gosta, a autora colocou a playlist de The Boy Most Likely To, junto com as informações e playlists dos outros dois livros dela, My Life Next Door e What I Thought Was True, em seu site.

E para quem se interessou, compre aqui The Boy Most Likely To e Minha Vida Mora Ao Lado.

Traduções feitas pela Crie Unicórnios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário